O que é ansiedade, como superá-la e tratá-la

A ansiedade é basicamente um mecanismo defensivo. É um sistema de alerta do nosso organismo ante situações consideradas ameaçantes. Todos somos ansiosos, talvez em níveis diferentes, alguns menos do que outros, outros mais do alguns, mas todos temos um nível de ansiedade.

A função da ansiedade é a de mobilizar o organismo, mantê-lo alerta e disposto para intervir frente aos riscos e ameaças, de tal forma que elas não provoquem afetações na vida.

A ansiedade, no impulsa para tomar medidas convenientes (fugir, atacar, neutralizar, afrontar, adaptar-se, etc.), segundo o caso e a natureza do risco o do perigo. Nestes casos a ansiedade, é um mecanismo adaptativo, bom, funcional, normal e não representa um problema de saúde.

Agora o problema com a ansiedade começa quando a ansiedade extrapola os níveis normais desta. Alguns autores definem este estado de ansiedade como um “excesso de futuro”, assim como a depressão é o “excesso do passado”.

Portanto, na maioria dos casos, este mecanismo funciona de forma alterada, produzindo problemas de saúde, nos incapacitando.

Causas

Usamos o título deste tópico “causas” por motivos didáticos, mas o termo mais pertinente para falar disto são “fatores”. Existem fatores que podem influenciar na aparição e mantimento da ansiedade. Estes são:

Fatores de Predisposição:

Com isto nos referimos a variáveis biológicas e de personalidade, herdadas ou não, que fazem mais provável que um individuo desenvolva alterações de ansiedade quando exposto a situações capazes de ativá-la. Além de podem ser referidas a personalidade, história de vida, condição biológica e aprendizagem.

Fatores Situacionais:

Refere-se aqueles fatos, situações ou circunstâncias que são capazes de ativar o sistema de alerta, a preparação para responder ante essas situações e a resposta necessária. Tipo viajar, apresentar uma prova, etc.

Fatores patológicos:

Este grupo afeta fundamentalmente aqueles casos em que os problemas originários da ansiedade não se resolvem satisfatoriamente, ou quando a ansiedade alcançou os limites de um transtorno.

Sintomas de Ansiedade

Os sintomas mais frequentes em casos de ansiedade estão classificados em sintomas psicológicos e físicos. Estes são:

Sintomas psicológicos da ansiedade:
  • Constante tensão ou nervosismo
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer
  • Problemas de concentração
  • Medo constante
  • Descontrole sobre os pensamentos, principalmente dificuldade em esquecer o objeto de tensão
  • Preocupação exagerada em comparação com a realidade
  • Problemas para dormir
  • Irritabilidade
  • Agitação dos braços e pernas.
Sintomas físicos da ansiedade:
  • Dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração
  • Respiração ofegante ou falta de ar
  • Aumento do suor
  • Tremores nas mãos ou outras partes do corpo
  • Sensação de fraqueza ou cansaço
  • Boca seca
  • Mãos e pés frios ou suados
  • Náusea
  • Tensão muscular
  • Dor de barriga ou diarreia.

Tratamentos

O melhor tratamento para ansiedade é a consciência da realidade. Quando a ansiedade deixa de ser normal ou controlada, e passa a ser um problema, o melhor a ser feito é procurar ajuda profissional.

O primeiro profissional a ser consultado é o médico clínico, o qual vai fazer uma investigação de tipo fisiológica, para avaliar a possibilidade de que a ansiedade é de origem orgânico. No caso das mulheres é aconselhável consultar o ginecologista, para que possa encaminhar exames de hormônios.

Se o médico clínico não identificar alguma afetação fisco-biológica, então é o momento de consultar o psicólogo, o qual irá avaliar o caso emérita um tratamento comportamental e de reelaboração do pensamento.  

Dado o caso o psicólogo entenda que a ansiedade há alcançado níveis de risco para o paciente, ele vai encaminhar o paciente para que consulte um psiquiatra. Este vai recomendar o tratamento com medicamentos. Mas deverá continuar com o acompanhamento do psicólogo de forma paralela até conseguir superar a ansiedade.

O segredo de sucesso ante um transtorno de ansiedade deriva de um bom acompanhamento, diagnóstico e tratamento assertivos. Para isso precisa ter cuidado ao escolher os profissionais que irão lhe ajudar neste processo.